segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Entre elas

"E sei que não será surpresa se o futuro me trouxer
O passado de volta, num semblante de mulher"


Entre A Serpente E A Estrela (Zé Ramalho)

domingo, 9 de novembro de 2014

Quando a vida se organiza

Felicidade é viver o novo com intensidade visceral.

As malas já estão prontas: vida nova, seja bem vinda!


Por MARIA, L.P.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

A carne, a dança, o mel...

Assim, Oxum entrou no mato e se aproximou do sítio onde Ogum costumava acampar.
Usava ela tão-somente cinco lenços transparentes presos à cintura em laços, como esvoaçante saia.
Os cabelos soltos, os pés descalços, Oxum dançava como o vento e seu corpo desprendia um perfume arrebatador.

Ogum foi imediatamente atraído, irremediavelmente conquistado pela visão maravilhosa, mas se manteve distante. Ficou a espreita atrás dos arbustos, absorto.
De lá admirava Oxum embevecido.
Oxum o via, mas fazia de conta que não.
O tempo todo ela dançava e se aproximava dele mas fingia sempre que não dera por sua presença.
A dança e o vento faziam flutuar os cinco lenços na cintura, deixando ver por segundos a carne irresistível de Oxum.
Ela dançava, o enlouquecia.
Dele se aproximava e com seus dedos sedutores lambuzava de mel nos lábios de Ogum.

Ele estava como que em transe.
E ela o atraía para si e ia caminhando pela mata,
sutilmente tomando a direção da cidade.
Mais dança, mais mel, mais sedução, Ogum não se dava conta do estratagema da dançarina.
Ela ia na frente, ele acompanhava inebriado, louco de tesão.
Quando Ogum se deu conta, eis que se encontravam ambos na praça da cidade.
Os orixás todos estavam lá e aclamavam o casal em sua dança de amor.
Ogum estava na cidade, Ogum voltara!
Temendo ser tomado com fraco, enganado pela sedução de uma mulher bonita, Ogum deu a entender que voltara por gosto e vontade própria.
E nunca mais abandonaria a cidade.
E nunca mais abandonaria sua forja.
E os orixás aplaudiam e aplaudiam a dança de Oxum.
Ogum voltou à forja e os homens voltaram a usar seus utensílios e houve plantações e colheitas e a fartura baniu a fome espantou a morte.

Oxum salvara a humanidade com sua dança do amor.

(Conto do livro MITOLOGIA DOS ORIXÁS de Reginaldo Prandi)

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Feliz dia das mulheres queimadas pela sociedade

"Somos netas das bruxas que vocês não puderam queimar.
Somos as netas das mulheres indígenas que sua cruz e seu progresso tentaram, mas não conseguiram dizimar.
Somos as netas das negras que vocês violentaram, humilharam e estupraram nas senzalas, mas nem mesmo sua violência foi capaz de afastar nossos Orixás, tambores e festas.
Somos a voz da resistência, e a resistência vem gravada em nosso próprio sangue!"


Autora desconhecida

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Limões

E você vai aprender que as pessoas não se importam.
E do limão vai fazer uma caipira marota.
Ficar muito louco e dançar bêbado e nu.
Ai a pinta que não se importava vai ficar puta da cara que você está cagando e andando pra opinião dela.
Mas quem vai ficar de ressaca, será você.
Aceite.

No fim das contas, serão só dois: você e a ressaca.
Dance nu, mas aceite a ressaca. Faz parte da vida.

Mas cuidado, não pense que isso é assunto de um alcoolista: entre ressaca e tristeza, é fácil escolher.


Por MARIA, L.P.


terça-feira, 21 de outubro de 2014

Coisas da vida

Coisas que a gente aprende:

- Amar sem medida;
- Desapegar;
- Ter consciência de que as pessoas realmente não se importam.


Por MARIA, L.P.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

A motoqueira vendeu sua moto

Meu amor,
foi bom enquanto durou,
Sentirei saudades.
Adeus.


Por MARIA.L.P.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Loucura

As vezes bate uma saudade...


"E aí
Eu comecei a cometer loucura
Era um verdadeiro inferno
Uma tortura
O que eu sofria
Por aquele amor

...

Salve seu mundo com minha dor"

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Dia dx professorx


A todxs colegas, uma singela homenagem pelo nosso dia.

É muito pesado saber que a sociedade nos cobra a responsabilidade pelo futuro dos seus filhos, por isso mais importante que bombons e abraços, merecemos respeito e valorização. Esse é o presente que precisamos!






"Ninguém começa a ser educador numa certa terça-feira às quatro horas da tarde. Ninguém nasce educador ou marcado para ser educador. A gente se faz educador, a gente se forma, como educador, permanentemente, na prática e na reflexão sobre a prática”- Paulo Freire

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sim, elas

"Penso: Quando você não tem amor, você ainda tem as estradas..."

Caio Fernando de Abreu